Pular para o conteúdo principal
Publicado em 8, Dec 2021 por observatorio
Shuttersck Robô e Humano
Publicações

Personagens de filmes e obras de ficção, os robôs povoam o imaginário humano há séculos. Apesar de haver registros na Idade Média de máquinas que imitavam seres humanos e executavam tarefas simples, é do escritor tcheco Karel Čapek e seu irmão Josef Čapek a primeira referência na literatura ao termo robô neste contexto. Na peça teatral de ficção científica “Robôs Universais de Rossum” (R.U.R.), de 1920, a palavra de origem eslava robota é usada em referência a trabalhadores que pareciam humanos, mas eram muito mais eficientes do que eles. 

Para além da imaginação e das discussões éticas sobre os limites do uso de Inteligência Artificial (IA), a robotização é hoje uma realidade e, mais do que isso, uma tendência crescente. Um relatório da consultoria Boston Consulting Group (BCG) projeta um avanço expressivo do faturamento do setor até o final da década. A expectativa é de um salto entre seis e dez vezes nesse número. O documento projeta que as vendas atuais do segmento, de US$ 25 bilhões, poderão alcançar até US$ 260 bilhões em 2030. O crescimento seria impulsionado por inovações de startups e empresas menores, avanços tecnológicos e mudanças no comportamento do consumidor.

A empresa global de pesquisa Euromonitor International acompanha os movimentos da robótica e o comportamento de consumo no mundo. A partir de insights, elabora relatórios de tendência e aponta caminhos para os próximos anos. A equipe do Observatório FIESC analisou essas publicações e resumiu em cinco apostas que devem ditar o futuro dos robôs no mundo.  

Guardian® XO® Full-body Powered Exoskeleton | Sarcos Robotics Visitar Direitos autorais: Copyright 2018 Dan Escobar

1.    Aprimoramento humano - Os robôs possuem força muito superior aos seres humanos e é uma tendência que esse atributo seja cada vez mais explorado. Uma demonstração muito popular foi dada por Sarcos Guardian XO, o primeiro exoesqueleto de corpo inteiro com motor e sem amarras, que melhora a força e a resistência do operador sem comprometer sua liberdade de movimento. Com vinte vezes mais força do que um homem normal, o exoesqueleto permite uma carreira de 40 anos na indústria pesada sem gerar os problemas esqueléticos de longo prazo.
Fonte: Euromonitor. CES 2020 Review: A Dark Dystopian Future, Silo Walls Crumble Plus Robots and AI

Digit Agility Robotics2.    Melhorias de logística: “últimos 10 metros” - Chegar em casa não significa entrar em casa. Os robôs podem solucionar desafios de logística de entrega, ocupando um espaço que já foi pensado para os drones. Digit é um robô de duas pernas da Agility Robotics (startup originado da divisão de robótica da Oregon State University) que tenta resolver isso, carregando pacotes por todo o caminho entre o carro e a casa.
Fonte: Euromonitor. CES 2020 Review: A Dark Dystopian Future, Silo Walls Crumble Plus Robots and AI

3.    Apelo emotivo do robô – Quem disse que um robô não pode ser “fofinho”? O filhote com emoção exemplifica o atributo de autenticidade artificial, que faz as experiências de contato com o robô serem mais próximas da vida real. Isso vale tanto para o aspecto consciente quanto para a experiência autonômica e emocional. Um cão robô pode reduzir nossos escudos emocionais e gerar uma conexão, mesmo que racionalmente saibamos, que ele é um equipamento. 
Fonte: Euromonitor. CES 2020 Review: A Dark Dystopian Future, Silo Walls Crumble Plus Robots and AI


4.    Robôs de limpeza – As discussões sobre divisão do trabalho doméstico podem ganhar um aliado importante. Com recursos inteligentes, como câmeras de vídeo, por exemplo, robôs limpadores de piso estão se tornando bons o suficiente para oferecer suporte de reconhecimento facial, reconhecimento de objetos e até mesmo reconhecimento de insetos. Existem vários aplicativos nos ecossistemas de segurança e saúde que fazem uso da câmera doméstica. Essa funcionalidade é real agora e está crescendo.
Fonte: Euromonitor. The Future Home: The Incremental Value Gains Offered by “Robot Friendly Rooms”

5. Preparação de alimentos fora de casa - Se os robôs podem ajudar com a limpeza, igualmente podem ajudar a cozinhar. A robótica na cozinha está em ascensão. Além de rotas assistentes genéricas que simulam os movimentos do braço e das mãos humanas, existem aplicações específicas para tarefas de produção em massa de itens alimentícios com precisão e eficiência. Tudo isso sem deixar de priorizar o sabor e a qualidade do cozimento. 
Fonte: Euromonitor. CES 2020 Review: A Dark Dystopian Future, Silo Walls Crumble Plus Robots and AI

Fonte: EUROMONITOR; Observatório FIESC; Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação de Santa Catarina.
 

 

Tags Publicações